38 Termos da fotografia que você precisa conhecer – Jargões explicados!

dicas de fotografia
Última atualização:

Falae galera, demorei mas voltei, e não morri não e pra provar isto hoje vamos falar sobre termos da fotografia. Na verdade estou mais vivo do que nunca. Desculpem pelo grande sumiço. Mas além de umas pequenas férias eu também acabei entrando em um dos maiores projetos da minha vida! Quando for mais oportuno conto tudo! 

O lance hoje será como você iniciante em fotografia pode desvendar o código secreto que muitos fotógrafos usam, o famoso jargão da fotografia. Afinal quem nunca ficou totalmente perdido quando uma amigo que é fotógrafo começou a falar em uma língua que apenas eles entendem. 

Então hoje vou dar pelo menos 33 termos da fotografia que você precisa conhecer, e além disso vou dar uma pincelada em cada um deles. Senta pega a caneca de café porque este artigo é grande! 

38 Termos da fotografia que você precisa conhecer – Quase todos os jargões usados por fotografos 

1 – Abertura

Abertura é o tamanho do buraco da sua lente. Mas não é simples assim. 

Abertura de uma camera fotografica

A abertura controla a quantidade de luz que entra na câmera, e isto é um dos pilares da exposição de uma foto. Além de controlar a quantidade de luz que entra na câmera, ela também controla o quanto da cena está em foco. Neste caso temos um nome bonito para isto que é profundidade de campo. Aberturas grandes como f /1.4 farão com que o funda das suas fotos fiquem desfocados. 

Existem ainda mais dois termos relacionados a abertura. Usar uma lente mais rápida ou uma lente mais aberta, que significa que este lente pode alcançar aberturas maiores.

No caminho contrário temos as aberturas menores. Isto manterá quase tudo em foco, e fará a sua câmera captar menos luz. Normalmente estamos falando de numeros como f /8 até f/ 32. 

Eu sei que esses números podem ser bem confusos, já que uma pequena abertura é igual a um número f maior. Mas aqui está uma maneira simples de lembrar.

Abertura grande = Número f pequeno = Profundidade de campo rasa (pequena)

Abertura pequena = Número f maior = Profundidade de campo mais profunda (maior)

Se você ainda se sentir confuso sugiro ler este artigo aqui, nele falo tudo sobre abertura. e você também pode dar uma olhada aqui onde fala mais sobre os F / Stops. 

2 – Velocidade do obturador

Seguindo na labuta. O obturador controla o tempo que seu sensor, ou filme fotográfico, vai ficar exposto à luz, sim a luz que a abertura deixou entrar. Simples assim. Ele é uma espécie de cortina na frente do sensor que se abre e feche assim que você aperta o botão de disparo da sua câmera. 

O tempo em que o sensor fica exposto a luz vai influenciar diretamente na exposição da foto, sendo assim, aqui temos a segunda perna do triângulo de exposição. Com a escolha correta da velocidade de obturador você pode criar mais de um efeito visual em suas fotos. 

Você pode simplesmente congelar o momento, usando disparos mais rápidos, ou pode criar um efeito mais fantasioso, usando disparo mais lento. 

A velocidade do obturador é mostrada em frações de segundo 1/125 ou em segundos completos como 1, 2 até 30 segundos ou mais.

Simplesmente, quanto mais o obturador permanece aberto, mais luz atinge o sensor e isto vai deixar as fotos mais claras. 

Se você quiser saber mais sobre como o obturador pode ter ajudar de forma criativa nas suas fotos basta ler este artigo aqui.

3 – ISO

Você ainda ta ai? Ok então vai mais coisa aí. Trocando em miúdos (minha mãe que costuma usar esta frase), o ISO nada mais é que o quão sensível um filme fotográfico é a luz. Esta “habilidade” foi traduzida também para o meio digital, então podemos dizer que o ISO em fotografia digital é o quão sensível o sensor é sensível a luz. 

Aqui completamos o famoso triângulo de exposição, abertura, obturador, ISO (sensibilidade). Todos estes ajustes serão correlacionados sempre, de forma que quando você modifica a velocidade de obturador é possível que você tenha que ajustar uma ou duas das outras coisas antes de tirar a foto.

Normalmente o ISO é adorado por muitos e odiado por outros. O motivo é simples, ruído na foto. Quando usamos um ajuste ISO muito nós vamos introduzir algum ruído, também chamado de granulação, em nossas fotos. O mesmo acontece com o filme fotográfico, por você compra o filme com a sensibilidade desejada. 

Filme fotografico com ISO 400

Aqui os números são bem simples, digital ou fotografia analogica, quanto maior o numero mais sensibilidade a luz, quanto menor o número menos sensível.

4 – Exposição

A exposição é basicamente o quão clara ou escura é uma imagem fica na hora da captura. Isso é determinado pela quantidade de luz que atinge o sensor ou o filme da câmera. Que é controlado pelas três configurações principais da câmera: velocidade do obturador, abertura e ISO.

Se você não expôs sua imagem corretamente e ela está muito escura, o sensor não recebeu luz suficiente. Chamamos isso de ‘Subexposição’. Para corrigir isso, você precisa usar uma velocidade mais lenta do obturador, abrir sua abertura ou aumentar sua configuração ISO.

Se sua imagem parecer muito clara, o sensor recebeu muita luz. Chamamos isso de “superexposta”. Para corrigir, você precisa usar uma velocidade do obturador mais rápida, fechar a abertura ou usar uma configuração ISO mais baixa.

Triangulo de exposição

5 – Profundidade de campo

Profundidade de campo significa simplesmente quanto da sua imagem estará em foco, desde a frente (a área mais próxima de você) até o fundo (a área da imagem mais distante de você).

Se você estiver fotografando algo como um retrato, deseja que o fundo fique um pouco desfocado, de modo que, quando você olha para a fotografia, seu assunto realmente se destaca do fundo.

Isso é chamado de profundidade de campo rasa.

Se você está fotografando uma paisagem, deseja que tudo, desde a frente até a parte fundo, fique em foco, para que possamos ver claramente toda a paisagem.

Isso é chamado de grande profundidade de campo. Às vezes, também é chamado apenas de profundidade de campo.

A profundidade de campo é controlada em grande parte pela configuração de abertura na sua câmera. Uma abertura grande produzirá uma profundidade de campo rasa. Uma pequena abertura produzirá uma profundidade de campo profunda (com quase toda a foto em foco).

Dominar a profundidade de campo é uma das maiores chaves para criar uma imagem impressionante. Quando usada corretamente, pode transformar uma foto de boa para ótima.

Não deixe de ler este artigo aqui para entender perfeitamente o que é e como usar a profundidade de campo.

Profundidade de campo

6 – F/Stop ou F/Numbers

Este é um termo usado para descrever as posições de abertura em uma lente. Controlando quanta luz entra na câmera quando uma foto é tirada. Os números f-stop são usados ​​para controlar o tamanho da abertura que deixa a luz entrar na sua câmera.

E não esquenta pois isto é bem mais complicado do que parece, pois existe um cálculo matemático para definir o número F de uma determinada lente.

O que você precisa realmente saber é a relação entre o números F, ou F-stops, com a abertura da sua lente. Sendo assim decora ai. Números F pequenos, F /1.8, significam que a lente terá uma abertura, um buraco para passar a luz, maior. Tal qual um F number com número maior, F / 22 produzirá um buraco, ou abertura, muito menor em sua lente.

7 – Stops 

Stops é um termo muito utilizado na fotografia, principalmente por profissionais, para descrever como as alterações nos ajustes da câmera ocorreram na exposição da foto.

Pense na seguinte situação. Você tira uma foto e ela sai subexposta, suas configurações na câmera são:

  • Obturador = 1/60
  • Abertura = F /2.8
  • ISO = 100

Agora falo para você que para esta mesma foto ficar bem exposta você tem que fazer uma alteração de 1 stop.. Se a foto está escura você tem algumas opções. Deixar o obturador mais lento, aumentar a abertura ou aumenta a sensibilidade do ISO.  Você decide que não quer aumentar o ISO para não produzir ruído, e que também não quer mexer na profundidade de campo. Logo apenas te sobra o ajuste do obturador, que precisa ser ajustado em 1 stop mais lento. Neste caso indo de 1/60 para 1/30. Assim ele ficará o dobro de tempo aberto e permitirá que a entrada do dobro de luz. 

Assim que você se familiarizar com este termo, e como fazer tais alteração, você será capaz de tomar estes tipo de decisão em questão de segundos. 

Pra ficar craque nesse assunto sugiro você dar uma bela lida neste artigo aqui onde explico tudo com muito mais detalhes.

8 – Modo manual

Ao usar o modo Manual (que geralmente é marcado como ‘M’ em uma câmera), você define a velocidade do obturador, ISO e a abertura. O modo manual oferece controle total sobre a exposição da sua imagem. Você será o responsável por todas as decisões relacionadas a exposição das fotos. 

Existem muitas vantagens em usar o modo manual, assim como existem vantagens em usar os modos semi-automáticos da câmera. Se você vai levar a fotografia a sério é bom ter um conhecimento profundo sobre como usar o modo manual da sua câmera. Clique neste link aqui e veja pelo menos 4 razões para aprender a fotografar no modo manual.

9 – Full frame ou câmera cropada

As câmeras full-frame usam um sensor de tamanho equivalente ao filme de 35 mm. Normalmente, os sensores de quadro inteiro podem ser encontrados em DSLRs de ponta e cada vez mais em câmeras mirrorless.

O sensor cropado é menor do que o full-frame. Se você possui um sensor cropado, você terá um fator de ampliação, geralmente entre 1,3x e 1,6x. Isso significa essencialmente que o sensor está literalmente “cortando” as bordas do quadro. O que, na verdade, aumenta a distância focal e produz tal ampliação. 

Ficou difícil? Pera ai. Na prática se você usar uma lente de 50mm produzida para full frame em uma câmera cropada o fator de amplificação será aplicado e você na verdade terá uma lente próximo de 75mm. Muitas lente são produzidas apenas para câmeras cropadas, logo não apresentam este fator de ampliação.  

Mas … qual é o benefício de uma câmera full-frame?

A principal diferença entre um sensor cropado e um sensor de full frame é o tamanho do próprio sensor da câmera.

A câmera full frame possui um sensor maior, que oferece uma faixa dinâmica mais ampla e melhor desempenho com pouca luz. A câmera full frame também permite uma profundidade de campo mais rasa do que um sensor cropado.

Mas, para ser sincero, um não é necessariamente melhor que o outro. Eles são apenas diferentes.

E a realidade é que, devido à tecnologia, as câmeras com sensor cropado estão alcançando rapidamente suas amigas full frame mais caras nos últimos anos.

Além disso, as câmeras sensores cropado podem ser um pouco mais leves e menos volumosas do que as de full frame e também são um pouco mais baratas.

10 – Bokeh

Você já viu uma foto em que o assunto principal está nítido enquanto o fundo está levemente desfocado?

Este efeito é conhecido como bokeh. Dizem que o termo vem da palavra japonesa “boke”, que significa “borrão” ou “neblina”.

O bokeh ajuda a dar vida às suas fotos, separando o assunto do plano de fundo. Isso faz com que o assunto pareça quase sair da foto. Colocar o assunto principal em foco nítido enquanto desfoca agradavelmente o fundo.

Ao dominar o bokeh, suas fotografias ficarão mais atraentes visualmente. Ele coloca o foco em uma área específica da sua foto. Permitindo destacar alguns objetos enquanto esconde outros na área desfocada.

Para produzir um efeito bokeh agradável em suas imagens, você precisa usar uma lente rápida. Uma lente rápida é aquela com uma grande abertura. Lentes com uma abertura máxima de f / 1.4 ou f / 2.8 produzirão o melhor bokeh.

Você também precisará levar em consideração a distância focal. As lentes prime de 35mm, 50mm e 85mm são excelentes opções para a produção de bokeh. Quanto maior a distância focal (maior número em mm), maior a separação do fundo.

Você também pode criar esse efeito de fundo se aproximando do assunto. Quanto mais próximo você estiver do assunto, mais o fundo ficará desfocado. Uma outra forma aumentar a distância entre o assunto e o plano de fundo. Você aumentará a quantidade de desfoque de fundo em suas fotos, mantendo os assuntos mais afastados do fundo.

Com um pouco de prática, você estará pronto para produzir um bokeh suave e cremoso.

11 – Quadros por segundo (FPS)

Na maioria das vezes, você provavelmente acaba tirando uma fotografia de cada vez. No entanto, há ocasiões em que você precisa tirar várias fotos em rápida sucessão. Isso ajuda a garantir que você capture o momento perfeito. Especialmente quando você está fazendo ação ou fotografia de esportes.

Para fotografar vários quadros por segundo, você precisa colocar sua câmera no modo de fotografia contínua (também conhecido como modo burst).

Em sua câmera você provavelmente tem uma taxa de quadros por segundo para sua câmera. Esse número é a quantidade de fotos que sua câmera pode tirar em um único segundo.

8 quadros por segundo (fps) significa que você terá 8 fotos por segundo (obviamente, você precisará de uma velocidade rápida do obturador!)

No modo de disparo contínuo, você pode simplesmente manter pressionado o botão do obturador e sua câmera continuará tirando fotos.

12 – Resolução da câmera

Você já se perguntou qual é o número de megapixels? Bem, esta é a resolução do seu sensor de câmera.

Por exemplo, um sensor com uma resolução de 5472 x 3648 fornecerá 19.961.856. Como esse número é longo demais, ele será arredondado para 20MP.

Geralmente, as pessoas pensam que quanto maior o número, melhor a qualidade. Isso é verdade até certo ponto, mas você também precisa levar em consideração o que fará com as imagens. Você só precisa de um sensor de 3MP para obter uma boa impressão de 6 ”x 4”.

Por outro lado, se você deseja enquadrar suas imagens e colocá-las na parede, precisará de uma câmera com mais de 3MP. Em geral, quanto mais megapixels sua câmera tiver, maiores serão as impressões produzidas sem perda de qualidade.

Lembre-se de que algumas câmeras não possuem o tamanho do sensor que afirmam ter. Eles usam o que é chamado de “Interpolação digital”. Que usa um sensor muito menor e amplia a imagem com o software.

13 – Compensação de Exposição

A compensação de exposição é uma maneira simples de tornar as fotos mais claras ou mais escuras.

O botão de compensação de exposição geralmente está localizado no canto superior direito da maioria das câmeras DSLR e MIrrorless. Denotado por um sinal de mais (+) e menos (-). Esse recurso está disponível na maioria das câmeras. Este pequeno botão permite alterar os valores de exposição da câmera para fazer a foto mais clara ou mais escura.

14 – Arquivo RAW

Muito parecido com o seu computador, sua câmera tem muitas maneiras de armazenar imagens. Os mais comuns são .RAW, .TIFF e JPG.

.RAW é a melhor maneira de fotografar suas imagens, pois elas gravam muito mais informações que .JPG e .TIFF. Os arquivos RAW também podem ser editados usando o software de pós-processamento, como Lightroom, Photoshop ou Luminar.

A maioria das câmeras também pode salvar suas fotos em JPG e RAW. Dando a você o melhor dos dois mundos.

Mas lembre-se de que os arquivos .RAW requerem muito mais espaço no seu cartão de memória e em seu computador para serem armazenados. 

Veja tudo que você precisa saber sobre arquivos RAW aqui

15 – Comprimento focal

A distância focal é medida em milímetros (mm). Você notará que sua lente tem uma distância focal. Se for uma lente prime, será uma distância focal fixa que não pode ser alterada.

Uma lente de zoom tem uma distância focal variável, para que você possa aumentar e diminuir o zoom sem precisar se aproximar fisicamente do que está fotografando.

Em termos simples, a distância focal é como as imagens serão “ampliadas”. Assim, por exemplo, uma lente de 50mm aparecerá mais “ampliada” do que uma lente de 18 mm.

16 – Foco

O foco é o ponto mais nítido de uma imagem. Portanto, se você estiver tirando uma foto do seu amigo na frente de um arbusto, você “se concentra” no seu amigo tentando deixar o arbusto fora de foco.

17 – Ponto de foco

A maioria das câmeras permite escolher entre muitos pontos de foco diferentes. A maioria das pessoas deixa suas câmeras no foco automático e permite que a câmera faça o trabalho de manter o assunto em foco nítido.
Mas você também pode escolher entre vários outros modos que fornecerão controle criativo completo sobre os pontos de foco da sua imagem. Permitindo que você focalize certos objetos enquanto dá a outras partes da foto um efeito borrado e agradável.

19 – Lentes zoom

Esta é uma lente com uma distância focal variável. Ele permite que você “amplie” o seu assunto sem precisar se aproximar fisicamente. Ao alterar a distância focal, você pode aumentar e diminuir o zoom, compondo a foto e enquadrando-a como achar melhor.

A lente de zoom permite fotografar em uma variedade de situações sem precisar trocar de lente. A principal vantagem de uma lente zoom é sua versatilidade. No entanto, eles tendem a ser um pouco maiores do que as lentes principais por causa das partes móveis.

21 – Lentes Prime

É uma lente com uma distância focal fixa. Ao usar uma lente prime, você precisará se aproximar mais ou menos fisicamente para enquadrar sua foto. O que nós chamamos de fazer um zoom com os pés.

No entanto, isso também pode ser uma ótima maneira de aprender sobre composição. Como as lentes primes te obrigam a pensar em como enquadrar suas fotos.Outro benefício das lentes prime é que elas geralmente produzem imagens mais nítidas. Isso ocorre porque elas não têm tantas partes móveis como acontece nas lentes zoom.

O uso de uma lente prime também geralmente permite valores de abertura mais baixos. Permite criar esse lindo efeito bokeh que vem de uma profundidade de campo rasa.As lentes prime também tendem a se sair melhor em situações de pouca luz devido aos seus valores mais baixos de abertura.

Não há certo ou errado quando se trata de lentes zoom ou lentes prime. Depende da situação e do que você está fotografando.

22 – Lente Macro

Projetado para fotografar assuntos pequenos muito de perto. Permite tirar fotos impressionantes de insetos, flores, gotas de água e muito mais.

Uma lente macro permite explorar os pequenos detalhes de uma flor ou o padrão intrincado de um inseto. Revelando um mundo que antes era invisível a olho nu.

23 – Lente telefoto

Uma lente que permite MUITO poder de zoom. Embora tecnicamente seja qualquer lente com uma distância focal mais longa do que o padrão. As teleobjetivas são geralmente de 70 a 300 mm. O que produz um campo de visão mais estreito e uma imagem ampliada.

As super teleobjetivas costumam ter 300 mm ou mais. Isso é muito poder de zoom.

24 – Lente grande angular

São lentes com grande campo de visão. Perfeito para capturar uma paisagem ampla ou prédios altos.

Mas você também deve ter cuidado com a distorção criada pelas lentes grandes angulares. Normalmente elas tem distância focal abaixo de 35mm.

25 – Sincronização com Flash

Como você provavelmente sabe, quando o flash dispara, a luz aciona apenas por um período muito breve. Fazer com que esse breve momento do flash corresponda à velocidade do obturador da sua câmera exige muito trabalho técnico.

O Flash Sync é a velocidade de obturador mais alta com a qual você pode usar um flash. Às vezes, isso é marcado com um ‘X’, que será semelhante a: 1/125thX ou apenas 125X.

Se sua câmera possui uma sincronização máxima de flash de 1/125 de segundo, você pode usar uma velocidade do obturador de 1/125 de segundo ou MAIS LENTA para fotografar com o flash.

Algumas câmeras também possuem o que chamamos de sincronização com flash de alta velocidade, o que permitirá que você use qualquer velocidade do obturador.

26 – Sapata do flash (Hot Shoe)

No na parte superior da câmera, geralmente acima do visor, você pode ver um pequeno quadrado de metal com círculos. Haverá trilhos que permitirão que você deslize os acessórios.

Isso é conhecido como “sapato quente / Hot shoe”. Também chamado às vezes de “sapata de acessórios”. A sapata é o lugar onde podemos colocar complementos adicionais para a câmera … Na maioria das vezes, um flash ou microfone.

27 – Longa exposição

Uma exposição longa é uma imagem tirada com uma velocidade lenta do obturador (o obturador fica aberto por um longo tempo). Essas exposições geralmente duram um segundo ou até mais.

Usamos uma exposição longa quando o assunto está muito escuro, como paisagens urbanas à noite ou astrofotografia ou quando queremos que objetos em movimento parecem borrados, como cachoeiras.

Fotografia com longa exposição

28 – Medição de luz 

Integrado à sua câmera tem “medidor de luz”. Esta é uma maneira de a câmera saber exatamente quanta luz ela está recebendo. Esta informação diz à sua câmera quais configurações são necessárias para obter uma exposição correta.

Geralmente, existem três tipos de modos de medição disponíveis:

Matriz: Nesse modo, o medidor de luz reúne informações sobre a cena inteira. Analisando as cores, brilho geral, contraste, intervalos de tons e muito mais. A câmera calcula a média de tudo na cena para determinar a melhor exposição possível. Ponderação central: a medição é obtida em uma grande área no centro do visor. Pontual: A medição é feita em uma pequena seção no meio do visor.

29 – Granulação (Ruído)

Ruído é a palavra moderna para o que os fotógrafos da época do filme fotográfico chamavam de “grão”. As fotografias tiradas com configurações ISO baixas (ISO 50-200) têm muito pouco granulação. À medida que o ISO aumenta, você notará mais pontos descoloridos nas imagens, especialmente em cenas escuras. Este é o “ruído” a que nos referimos.

30 – Botão do obturador

Às vezes conhecido como “Liberação do obturador”, esse é o botão grande na parte superior da câmera que usamos para dizer à câmera para disparar e tirar a foto.

Uma liberação remota é um botão do obturador de um cabo ou sem fio que você pode usar para tirar uma fotografia sem tocar fisicamente na câmera. Usado regularmente ao fazer exposições longas.

31 – Reflex de lente única

Mais conhecido como “SLR”. Reflex de lente única significa que, quando você olha pelo visor, está realmente olhando diretamente (com a ajuda de um pentaprisma) para fora da lente.

32 – Time Lapse

Você já viu aqueles vídeos em que as plantas crescem a um ritmo fenomenal ou os edifícios são erguidos em apenas alguns minutos, mesmo que essas coisas devam levar dias, semanas ou meses?

Isso é o que chamamos de “Vídeo timelapse”.

Para que um vídeo pareça estar se movendo da mesma maneira que vemos as coisas na vida real, você precisa capturar 25 imagens a cada segundo (25 fps).

A quantidade de fotos que você precisa tirar depende muito da rapidez do assunto é. Um prédio que leva um ano para ser construído precisará de apenas 3-4 fotos por dia para parecer que está sendo construído em apenas alguns minutos.

33 – Digital Reflex de lente única (DSLR)

é em essência igual a SLR porém ao invés de gravar as imagens em um filme fotográfico, a imagem é gravado em um cartão de memória. O termo é uma abreviação para Digital Single Lens Reflex

34 – Mirrorless

Mirrorless é o nome dado a certas câmeras que não contam com a tecnologia do pentaprisma que te ajudam a ver o quadro no visor da câmera. Ao invés disso elas contam com um visor eletrônico que normalmente e uma representação fiel do que será capturado.

35 – Visor (viewfinder)

Um visor é o que você usa para compor (e frequentemente) para focar sua foto. Existem dois tipos principais de visor da câmera. Óptico (OVF) e Eletrônico (EVF).

As DSLRs têm um visor óptico. Os visores eletrônicos são encontrados em algumas câmeras mirrorless. Mas nem todas.

Um visor ótico permite que você veja a quadro da mesma maneira que seus olhos. Um visor eletrônico permite que você veja exatamente o que a câmera está vendo digitalmente. O grande benefício de um visor eletrônico é que você pode “visualizar” exatamente como será a sua fotografia (com base nas configurações atuais da câmera).

O visor é uma das melhores ferramentas que um fotógrafo possui para capturar uma imagem exposta corretamente. E o visor eletrônico é especialmente útil para novos fotógrafos que estão começando e aprendendo como as diferentes configurações da câmera afetam uma foto.

36 – Liveview 

Liveview é um outra forma de ver o que sua câmera está vendo, nada mais que fazer com que a imagem que está na frente da câmera aparece na tela da mesma em tempo real.

38 – Balanço de Branco

A luz do sol tem realmente uma cor completamente diferente da luz em um dia nublado. A luz de tungstênio tem uma cor completamente diferente da luz de halogênio. Seus olhos são incrivelmente sofisticados e corrigem todas essas cores diferentes sem que você perceba.

Infelizmente, sua câmera não é tão boa em obter as cores diferentes com a aparência correta! O Balanço de Branco pode ser definido manualmente, selecionando uma das predefinições, como: “Luz do dia”, “Nublado”, “Fluorescente”, dependendo da luz em que você está fotografando.

Clique aqui e veja como evitar usar o balanço de branco de forma errada. 

37 – Proporção

A relação entre a largura ea altura de uma imagem. É geralmente expresso como 3: 2, 4: 3 ou 16: 9.

Se você tiver uma foto com uma proporção de 3: 2, o tamanho da imagem pode ser 300 x 200, 600 x 400 ou até 1350 x 900. Desde que a relação entre a largura ea altura permaneça a mesma (3 : 2)

Ao alterar a proporção, você essencialmente “corta” a imagem. Alterando quanto do quadro você pode capturar em uma única foto.

Para dar um exemplo, a Sony a6000 possui um sensor 3: 2, portanto, usar 3: 2 fornecerá a “imagem inteira”. Que pode ser cortada para uma proporção diferente posteriormente.

Isso se torna ainda mais importante quando você deseja imprimir suas fotos.

  • Uma impressão 4 × 6 tem uma proporção de 3: 2.
  • Já uma impressão 5 × 7 tem uma proporção de 7: 5.
  • E uma impressão 8 × 10 tem uma proporção de 5: 4.

Mas e se a proporção da sua foto original não corresponder à proporção da impressão?

Sua imagem é cortada para corresponder à proporção da impressão. Portanto, decida como deseja usar sua foto primeiro e selecione a melhor proporção com base nisso.

38 – Hora dourada (Golden Hour)

Este é o período logo após o nascer do sol e logo antes do pôr do sol. A janela exata do tempo depende da sua localização e da época do ano. Mas, em média, dura cerca de uma hora. É a primeira hora se a luz do sol no início do dia e a última hora de luz do sol no final do dia.

A melhor hora para tirar fotografia

Muitos fotógrafos acreditam que este é um dos melhores momentos para fotografar, pois fornece às suas fotos uma luz suave, quente e dourada. Também é uma luz mais difusa, facilitando a obtenção de uma foto mais uniformemente exposta.

Ufa acabou…completamos pelo menos 38 termos da fotografia que sempre colocam duvidas nas pessoas. Não que não existam mais termos, eles sempre estarão por aí, mais estes aqui são realmente úteis no dia a dia. 

Se você leu tudo te dou os parabéns você é um guerreiro(a) e merece uma salva de palmas! 

É bom provável que eu comece a fazer uma menor quantidade de posts por enquanto, mas garanto que quando eu fiz vai ser grande e cheio de assuntos bacana pra gente discutir!

Não esqueçam de compartilhar este artigo! Isto ajuda muito o blog! E até o próximo post. 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.