Fuji X-T10 Review: com o mesmo sensor e processador que sua irmã maior, a Fuji X-T10 deverá ser popular entre os iniciante até pelo fato de ser uma câmera com um custo não tão alto. Descubra por que a X-T10 é uma ótima opção.

O mercado de câmeras de sistema compacto é um lugar bem cheio de concorrência no momento. E  a Fuji vem se destacando pelo seu design sofisticado, retro, juntamente com os controles tradicionais.

Essa abordagem tem tido um grande sucesso entre os entusiastas e fotógrafos profissionais que necessitam de uma alternativa DSLR. No entanto, a empresa também tem algumas opções excelentes para iniciantes, como o X-M1.

Aqueles que foram cobiçar o estilo lindo da Fuji X-T1, mas foram barradas por seu preço relativamente alto irão se surpreender com a alegre notícia de que a empresa decidiu lançar uma versão um pouco mais simples mas bem mais barata, a X- T10.

A melhor notícia desta historia toda é que ele continua a usa  mesmo sensor que é utilizada nas Fuji X100T e Fuji X-E2. A Fuji afirma que os tempos de foco automático que o sistema AF híbrido da câmera é capaz podem chegar a  0,06 segundos, graças a detecção de fase e detecção de contraste presentes neste sensor.

Quando você está definindo o ponto de foco automático, existem três opções disponíveis – single, zone e wide. Ao usar a foco automático contínuo, você também pode usar em single, zone wide e  rastreamento.

Neste último modo, a câmara irá automaticamente escolher um ponto de foco automático e acompanhar o assunto, a seleção de um novo ponto de foco automático e a distância que o assunto se move.

Como é de esperar, porém, existem alguns detalhes para facilitar e justificar a queda de preço tal qual o tamanho menor da maquina.

O visor, que tem a mesma resolução (2,36 milhões de pontos), como o X-T1, é menor. Isso significa que ele não pode exibir uma imagem dupla, que é possível no visor da  X-T1.

No lado positivo, ele apresenta o mesmo tempo de atraso de apenas 0,005 segundo.

A tela tem uma resolução ligeiramente menor do que o X-T1 (e X-E2), com 920.000 pontos (em comparação com 1.040.000 pontos). Ele se inclina tanto para cima e para baixo para fotografar de ângulos mais difíceis.

A câmera também possui um slot para cartão SD / HC / XC, é UHS-I, enquanto o X-T1 é o mais rápido UHS-II.

Completam a lista de especificações ela tem um flash pop-up, uma sapata, com sensibilidade de ISO 200 – 6400, que é expansível apenas ao fotografar em JPEG para ISO 100 – 51200, conectividade Wi-Fi e um obturador eletrônico com velocidades super rápidas de até 1 / 32.000 segundo.

Destacando-se  para o público-alvo de iniciantes e entusiastas com esta câmera você pode disparar no modo totalmente automático, algo que o X-T1 não oferece.

Fuji_x-t10_price_specs_tilt01

Fuji X-T10

Fuji X-T10 avaliação: Construção e Manuseio

Embora o X-T10 não seja resistente às intempéries, como o X-T1, ela mantém a alta qualidade de construção de outras câmeras da série X. Ele usa um corpo em liga de magnésio fundido, o que lhe dá uma ótima aparência.

As maiores diferenças entre a X-T10 e X-T1 aparecem quando você as olha de cima para baixo onde a X-T10 é visivelmente mais magra. Também é aproximadamente 60g mais leve.

No lado direito da câmera, você encontrará um disco de compensação de exposição, o que permite que você mude a partir de -2 EV a +2 EV.

Um interruptor de energia cercam a liberação do obturador, enquanto há uma discagem rápida do obturador que está marcado com configurações de 1 segundo a 1/4000 segundo, bem como Bulb, Tempo e automática. Quando você tem o obturador eletrônico ativado, você pode definir as velocidades do obturador mais rápidas usando os botões na parte de trás da câmera.

Um seletor de modo unidade é encontrada no lado esquerdo da câmera. Isto permite-lhe escolher entre single, Contínuo (low) e Contínua (high)  que são velocidades de  disparo de até 8 quadros por segundo. Você também encontrará opções para configurar os modos de escalonamento (bracketing), Filtros avançados, Exposição Múltipla e modos Panorama.

Dois modos de escalonamento estão disponíveis – um para a sucessão de exposição, e um segundo para bracketing simulação de filme. Em outras palavras, você pode tirar uma sequência de três imagens com exposições diferentes ou 3 simulações de filme diferente.

Não há nenhum botão ou dial para definir a sensibilidade ISO na X-T10. Em vez disso, você pode definir a velocidade desejada através do menu principal, ou, em alternativa, através de um menu rápido, que está disponível através de um botão marcado com um Q.

Se você acha que você vai ser alterar essa configuração, muitas vezes, você pode personalizar um dos botões físicos ou disco para acessar diretamente essa configuração.

Também é possível deixar a câmera escolher uma sensibilidade ISO para você. Se você está preocupado com isso quando não sabe se usando uma velocidade que é muito alta ou baixa, você pode definir uma sensibilidade máxima, bem como uma velocidade mínima do obturador.

Para liberar o flash pop-up, há um pequeno interruptor encontrado sob o seletor de modo. O flash parece bastante robusto.

Se você estiver usando uma das lentes da Fuji, que tem um anel de abertura, você usar isso para controlar manualmente a abertura. Ou, você pode definir o anel para a posição A (automático) e deixa que a câmera seleciona a melhor abertura que ela pensa que você precisa.

Há um mostrador para definir a velocidade do obturador, o que também pode ser configurado para o mono automático. Se você definir ambos os mostradores para automático, você vai descobrir que você está fotografando em um modo de Programa de fato, ao mesmo tempo, se você assumir o controle de apenas o abertura, você está em Prioridade de Abertura, Prioridade do Obturador e se você tomar o controle de apenas a velocidade do obturador.

Se você estiver usando o modo AF único, você tem a opção de 49 pontos de foco automático disponíveis. No entanto, se você mudar para ponto AF por zona existem 77 pontos que são selecionáveis ​​em grupos de 3 × 3, 35 ou 5 × 5.

Para alterar o modo de seleção AF, você pressiona a tecla para baixo do pad de navegação de quatro vias na parte traseira da câmera. Para alterar o tamanho do ponto de AF, você usa os mostradores dianteiros ou traseiros, enquanto você usa as teclas de navegação para se deslocar para o ponto que você precisa.

Quando você está fotografando um tema em movimento e você tem Modo AF contínuo a câmera focaliza o tema dentro da zona que você selecionou e muda pontos de AF no interior da área onde motivo se move.

Esta câmera é destinado a fotógrafos menos experientes, quando comparada com a X-T1, e como tal, há também a opção de filmar em um modo totalmente automático. Um interruptor que se projeta  debaixo da discagem rápida do obturador permite ativar o modo automático.

Enquanto o visor da X-T10 é menor do que o da X-T1 , na prática ainda é muito bom de usar. Detalhe é claro, que o visor funciona muito melhor em ambientes com boa luz, você notará ruido quando usá-lo em ambientes pouco iluminados.

A tela também é grande, não sofrendo muito com  reflexos, em algumas circunstâncias é um benéfico inclinar a tela para evitar a luz, ou sisplesmente usar o EVF.

A tela de ser capaz de inclinar o torna útil para fotografar a partir de ângulos invulgares, mas não é útil ao fotografar imagens no formato retrato. Também não é possível vira-la em todos os ângulos pois EVF acaba ficando no caminho. Se você estiver preocupado com as selfies, uma maneira de contornar isso é conectar a câmera ao seu smartphone e controlá-la remotamente.

Fuji_x-t10_review_hands-on

Fuji X-T10 avaliação: Desempenho

A qualidade de imagem a partir do X-T10 é fantástica – não é surpresa dado que tem o mesmo X Trans CMOS II sensor e processamento que a X-T1.

Detalhe da câmera é particularmente impressionante, considerando que o sensor é relativamente modestos 16 milhões de pixels. A razão para isto é que o desenho do  sensor é um pouco mais baixo, o que significa que não há necessidade de um filtro anti-aliasing.

O ruído é impressionantemente bem controlado durante toda gama de sensibilidade nativa da câmera, e podemos ver que mesmo em imagens tomadas com ISO 6400 um alto nível de detalhe.

Se você examinar a 100%, é possível ver uma textura uniforme de ruído, mas a impressão geral ainda é boa e você pode fazer uma impressão agradável A3. Arquivos Raw mostrar o ruído cromático, mas controlar este em pós-produção é fácil assim você pode obter o equilíbrio de ruído e detalhe que você preferir.

Como vimos antes com outras câmeras Fuji, o X-T10 é capaz de criar boas imagens em uma grande variedade de diferentes situações de disparo. Modos de simulação de filme são muito populares, e vai ser até você decidir qual é o seu favorito.

[adrotate banner=”5″]

Sistema de balanço de branco automático da Fuji X-T10 é muito bom fazendo um trabalho decente em situações de iluminação natural, mas mesmo assim ele pode ser enganado por condições nubladas ou sombreadas.

Um dos maiores problemas com as X-séries foi autofoco ao fotografar um objeto em movimento. Felizmente, a Fuji X-T10 traz consigo uma melhoria chave, que também vai ser lançado para o X-T1 através de uma atualização de firmware.

Agora, ao invés de ponto AF que está sendo bloqueado no centro do quadro quando você estiver usando o modo AF continuo, você pode selecionar pontos ou zonas de todo o quadro.

A câmera faz um bom trabalho de foco para assuntos em movimento e consegue segui-lo ao redor do quadro quando você estiver usando o modo AF contínuo wide, mas você pode achar que fundos podem ser uma distração para o foco, portanto, usando AF por zona ou Ponto Único muitas vezes é mais fácil.

Se você manter a zona de foco um único ponto sobre o assunto, a câmera é capaz de fornecer boas imagens nítidas mesmo quando fotografar com pouca luz.

A Fuji X-T10 é capaz de focar rapidamente quando utilizar o modo AF simples. Há uma função Auto Macro muito útil que, como o nome sugere, muda automaticamente para modo Macro quando objeto próximo é detectado – isso significa que não há nenhum botão de macro dedicado.

Exemplos

Painter_DSF4286

  • Abertura: f / 2.8
  • Câmera: X-T10
  • Flash disparado: nenhum
  • Distância focal: 36,5 milímetros
  • ISO: 200
  • Velocidade do obturador: 1 / 300s

Grass_DSF4622

  • Abertura: f / 8
  • Câmera: X-T10
  • Flash disparado: nenhum
  • Distância focal: 35,3 milímetros
  • ISO: 400
  • Velocidade do obturador: 1 / 210s

Dog_DSF4535C

  • Abertura: f / 2.8
  • Câmera: X-T10
  • Flash disparado: nenhum
  • Distância focal: 37,6 milímetros
  • ISO: 6400
  • Velocidade do obturador: 1 / 800s

Skater_DSF4487-e1436790844187

  • Abertura: f / 2.8
  • Câmera: X-T10
  • Flash disparado: nenhum
  • Distância focal: 55 milímetros
  • ISO: 1600
  • Velocidade do obturador: 1 / 800s

Fuji X-T10 revisão: veredicto

Um dos problemas associados com a criação de uma versão mais barata de uma câmara já existente, é que a versão anterior torna-se menos atrativo. No entanto, a Fuji tem feito um grande trabalho aqui para produzir algo que mantém a aparência do X-T1, mas tem diferenças suficientes para justificar ainda a existência de duas câmeras no line-up.

Um lembrete das principais diferenças: com o X-T10, o corpo não é à prova de intempéries, o EVF é menor e não há nenhuma controle dedicado sensibilidade ISO.

Ainda há uma boa variedade de mostradores e botões e recursos para aos entusiastas ou profissionais, entretanto fotógrafos iniciantes poderão, se quiserem, usar o modo automático

Se você gosta de fotografar objetos em movimento, as melhorias que foram feitas ao sistema de foco da câmera é uma grande notícia. O visor eletrônico também é excelente, o que também é útil para este tipo de fotografia.

Ser capaz de personalizar muitos dos botões na parte de trás da câmera significa que você pode usar a câmera exatamente como você deseja, enquanto o Quick Menu também lhe permite acessar e alterar as configurações chave.

Não é uma boa notícia embora. É um pouco frustrante que alguns modos de disparo estão disponíveis em apenas JPEG – tais como opções de expansão sensibilidade e filtros avançados.

É também um pouco incomum ter ISO 200 como as definições de sensibilidade mais baixa.

No geral a X-T10 é uma fantástica câmera para quem está atrás de algo sério para fotografia, mas também é uma boa opção para aqueles que já têm um pouco de experiência.

Se você tem um X-T1 em seu kit, a X-T10 é também uma boa opção de backup. Embora não tem completamente as mesmas especificação de X-T1, a qualidade da imagem tem o mesmo nível elevado, e com um sistema de auto-foco melhorado de forma significativa.

Assine nossa newsletter
Junte-se a milhares de assinantes e receba todas as atualizações em sua caixa de e-mail.
Não se preocupe, nós também odiamos spam.